domingo, janeiro 07, 2007

O dilema do homem livre

Até que ponto devemos sacrificar os nossos valores quando o que está em causa é a sua própria sobrevivência? Não vou fazer analogias entre esta cena de "Life and Death of Colonel Blimp" (filme a certos títulos seminal, a outros estéril) e o presente estado das coisas: o assunto é demasiado grave para brincarmos às diferenças. Julgo, aliás, que os maiores ataques à nossa forma de viver virão de nós e da forma como, voluntariamente, escolheremos abdicar dos direitos e responsabilidades que nos competem.
.
Mas divago. Voltemos à obra-prima de Powell e Pressburger, aqui interpretada por Anton Walbrook (o alemão Theodor Kretschmar-Schuldorff) e Roger Livesey (no papel do oficial britânico Clive Candy).

Como sabemos, a História seguiu o caminho de Kretschmar-Schuldorff - Dresden, Hiroshima, Nagasaki, etc. Os fins justificam os meios? Tal como Clive Candy, inclino-me sempre para rejeitar esta máxima. E, no entanto, a resposta racional parece ser "depende dos fins." Esta é a ambiguidade sangrenta que nos acossa.